O Dia da Conciência Negra

por Prof. Feitosa

Já ouvimos, há algum tempo, na tentativa de justificar o injustificável, uma entidade proferir a pérola de que a escravidão era cabível porque o negro não tinha alma.

Já ficamos perplexos com "peles vermelhas" queimados vivos por pessoas aculturadas; estamos retornando à época de Giordano Bruno?

Já presenciamos optates sexuais serem alijados de um convívio para a manutenção da vaidade de outrem.

Já nos indignamos com idosos desreispeitados por quem, em breve, também será.

O dia 21 de novembro, além da consciência negra, deve ser momento de reflexão; é algo para dentro de si.

COMENTE AQUI ESSE ARTIGO